A Estátua e a Pedra (e o barro e o bronze)

April 18, 2018

 

Saramago divide  o percurso dos seus romances em duas partes – a primeira, até “O evangelho segundo Jesus Cristo”, associada à figura da “estátua”, que outra coisa não é que a “superfície da pedra”, e a segunda, a partir de “Ensaio sobre a Cegueira”, a da “pedra”, que pretendeu entrar “no mais profundo de nós mesmos”, numa “tentativa de perguntar o quê e quem somos”.

Existem basicamente duas maneiras de se fazer uma estátua. Por remoção ou por acréscimo. Na primeira, se parte do material, que pode ser madeira ou pedra e se retira tudo o que está “a mais”, para assim se descobrir a forma contida naquele material. É como se tivesse um corpo embaixo d’água dentro de uma banheira, ou dentro de um grande cubo de gelo. Retira-se a água ou derrete-se o gelo e o corpo aparece com todos os seus detalhes. Diz-se que Michelangelo olhava um bloco de pedra e já “via” a escultura que ali estava contida. Pouco a pouco ele foi sintetizando seu estilo e retirando cada vez menos pedra, como se a pedra e a estátua fossem uma só coisa. Por isso ele parece ter dito uma vez que a estátua fica boa depois de rolar uma montanha e perder no percurso tudo o que estava a mais, todo acessório ou “enfeite” desnecessário à sua essência. Bernini que era outro gênio do mármore não dividia essa opinião, e criava suas estátuas com inúmeros detalhes barrocos. Séculos depois Brancusi, outro gênio da pedra, parece seguir os preceitos de Michelangelo e retirar da pedra o mínimo possível, quando esculpe um rosto ou um pássaro ou um beijo.

Na outra maneira de se fazer uma estátua, por acréscimo, o processo é oposto ao da pedra. É o que ocorre quando se faz uma estátua em barro (argila). Parte-se do nada e acrescenta-se pouco a pouco o barro, buscando dar a forma que se quer, a forma que estaria contida na pedra e que nesse caso está expandida no “Éter”. Em uma maneira se descobre, na outra se cobre. Da estátua em barro, material perecível, é feita uma fôrma que recebe a liga incandescente e renasce no bronze.

Que seja por remoção ou por acréscimo, deve-se sempre procurar encontrar a alma. Para Saramago, a essência, “o mais profundo de nós mesmos”. É difícil ou impossível de se saber qual a relação real entre forma e matéria, entre corpo e espírito. O espirito dá forma ao corpo? A aparência é um mero acaso? O fato é que o corpo é a morada do espírito e que sem o corpo, o espírito não poderia se manifestar, assim como sem a tela, a pintura não passa de uma ideia ou sem a pedra ou o barro, a estátua não pode existir.

Fazer uma estátua de Saramago é de certa forma fazer o percurso contrário ao que ele próprio diz ter feito. É partir da pedra, ou mais facilmente do barro, à estátua. Do material à forma, do mais profundo de nós mesmos à superfície, do corpo ao espírito. É uma tarefa difícil, se não impossível, mas me lancei assim mesmo, com certa humildade, sabendo que a perfeição não é humana, e que mesmo imperfeita, imóvel, metálica, a forma oferece alguma morada ao espírito, e quem sabe, vendo o espírito a representação de sua antiga forma, ele não se anima a entrar de vez em quando e assim nos inspirar com sua presença a buscar a profundidade, a vencer o tempo, a ausência e a morte?

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Em destaque

MAR - Um outro mundo aqui na Terra

March 14, 2018

1/1
Please reload

Posts Recentes

July 8, 2020

June 23, 2020

March 16, 2020

April 9, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2018  by Edgar Duvivier | Proudly created with Wix.com

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social